Últimas palavras de menino com câncer terminal emocionam seus pais

By 20/01/2018Diversos, Filhos, Mãe, Pai, Saúde
Publicidade

A Emocionante Historia de um menino de 9 anos com câncer e suas últimas palavras…

Você conhece aquelas histórias que lhe deixam completamente emocionados? Busque seus lencinhos, pois está uma daquelas.

Bailey Cooper, 9 anos de idade, nascido no Reino Unido, em Bristol, infelizmente ele foi diagnosticado com um tipo rato de câncer em 2016.

Publicidade

Tudo começou quando Bailey demonstrou que não estava sentindo-se bem, ao ser levado ao hospital, seus médicos pensaram ser apenas uma infecção no tórax. Após realizar uma bateria de exames, o resultado foi terrivelmente triste, seu câncer estava no estágio 3. Assim que o resultado saiu, seu tratamento iniciou-se imediatamente, com sessões de quimioterapia e doses de medicamentos, em 2017, ele entrou em remissão.

Publicidade

“Eles achavam que não havia mais sinais do câncer. Ele teve que fazer exames regulares e ressonâncias mistas de rotina a cada três meses, mas as coisas estavam indo bem”, disse Lee Cooper, pai de Bailey, ao The Bristol Post. Em agosto de 2017, seu câncer voltou mais agressivo e de forma terminal, seus médicos disseram que já não havia mais nada que pudesse ser feito por sua vida.

Bailey e sua família foram informados que ele teria apenas alguns dias, ele tinha um único desejo antes de partir, sobreviver para conhecer sua pequena irmãzinha que estava a caminho. Sua mãe estava grávida e o nascimento da pequena estava previsto para novembro.

“Nós não pensamos que ele aguentaria tanto tempo, mas ele estava determinado a conhecer Millie”, Rachel Cooper, sua mãe, disse ao The Bristol Post. O pequeno menino conseguiu resistir até o nascimento da irmã e fez exatamente o que um irmão faria, lhe deu banho, trocou a pequena e cantou para ela.

Publicidade

Mas, conforme o tempo passava seu câncer tornava-se cada vez mais agressivo e o deixava mais e mais fraco. “Às 11h45, na véspera de Natal, estávamos ao lado de sua cama e sabíamos que não ia demorar para que ele partisse”, disse Rachel.
Antes de faleceu Bailey pediu a seus pais que por apenas 20 minutos eles chorassem, nenhum minuto a mais, pois agora tinham uma bebêzinha e outro irmão de 6 anos que precisariam deles. Sua morte ocorreu de forma tranquila e pacífica.
“Estamos entorpecidos”, disse Lee. “Mas, de certa forma, também estamos felizes por ele não ter mais dor”, concluiu. Seu filho tinha grande coração, apesar de toda a dificuldade que passou.