Últimas palavras de menino com câncer terminal emocionam seus pais

By 20/01/2018Diversos, Filhos, Mãe, Pai, Saúde

A Emocionante Historia de um menino de 9 anos com câncer e suas últimas palavras…

Você conhece aquelas histórias que lhe deixam completamente emocionados? Busque seus lencinhos, pois está uma daquelas.

Bailey Cooper, 9 anos de idade, nascido no Reino Unido, em Bristol, infelizmente ele foi diagnosticado com um tipo rato de câncer em 2016.

Tudo começou quando Bailey demonstrou que não estava sentindo-se bem, ao ser levado ao hospital, seus médicos pensaram ser apenas uma infecção no tórax. Após realizar uma bateria de exames, o resultado foi terrivelmente triste, seu câncer estava no estágio 3. Assim que o resultado saiu, seu tratamento iniciou-se imediatamente, com sessões de quimioterapia e doses de medicamentos, em 2017, ele entrou em remissão.

“Eles achavam que não havia mais sinais do câncer. Ele teve que fazer exames regulares e ressonâncias mistas de rotina a cada três meses, mas as coisas estavam indo bem”, disse Lee Cooper, pai de Bailey, ao The Bristol Post. Em agosto de 2017, seu câncer voltou mais agressivo e de forma terminal, seus médicos disseram que já não havia mais nada que pudesse ser feito por sua vida.

Bailey e sua família foram informados que ele teria apenas alguns dias, ele tinha um único desejo antes de partir, sobreviver para conhecer sua pequena irmãzinha que estava a caminho. Sua mãe estava grávida e o nascimento da pequena estava previsto para novembro.

“Nós não pensamos que ele aguentaria tanto tempo, mas ele estava determinado a conhecer Millie”, Rachel Cooper, sua mãe, disse ao The Bristol Post. O pequeno menino conseguiu resistir até o nascimento da irmã e fez exatamente o que um irmão faria, lhe deu banho, trocou a pequena e cantou para ela.

Mas, conforme o tempo passava seu câncer tornava-se cada vez mais agressivo e o deixava mais e mais fraco. “Às 11h45, na véspera de Natal, estávamos ao lado de sua cama e sabíamos que não ia demorar para que ele partisse”, disse Rachel.
Antes de faleceu Bailey pediu a seus pais que por apenas 20 minutos eles chorassem, nenhum minuto a mais, pois agora tinham uma bebêzinha e outro irmão de 6 anos que precisariam deles. Sua morte ocorreu de forma tranquila e pacífica.
“Estamos entorpecidos”, disse Lee. “Mas, de certa forma, também estamos felizes por ele não ter mais dor”, concluiu. Seu filho tinha grande coração, apesar de toda a dificuldade que passou.