Segundo delegado, o crime foi motivado por ciúmes, de uma conversa no whatsapp

By 18/12/2017Diversos, Mãe

 

Este triste caso veem comovendo a todos. Daiane Reis Motta, foi assassinada pelo próprio marido, Adilson Prado Lima Júnior. O crime aconteceu dois dias antes do parto.

Em entrevista ao portal aratu, o delegado Hidelbrando Alves, revelou que Adilson alegou o motivo do crime foi por ciúmes, ele disse que teria visto, no celular de Daiane, conversas “comprometedoras”, que ela mantinha com uma coelga de trabalho, pelo WhatsApp, porém o assassino não revelou o conteúdo das mensagens.

De acordo com o portal UOL, pessoas próximas ao casal afirmam que Adilson teria chegado até a desconfiar de que a filha que Daiane estava esperando não era dele.

Adilson confessou que assassinou Daiane com um tiro na nuca. Ele também disse que recolheu o telefone e os documentos da vítima para dificultar a sua identificação e localização. Daiane deixou um filho de três anos, fruto de um outro relacionamento.

“Era uma pessoa do nosso convívio”

Em entrevista ao portal Correio, o pai de Daiane, o comerciante Rubens Mota, 54 anos, afirmou que Adilson usou o carro dele para cometer o crime. “Ele usou meu próprio carro para fazer uma barbaridade dessas com a minha filha”, lamentou o pai de Daiane.

Ainda de acordo com o pai da vítima, Adilson teria cometido o crime uma hora depois de pegar o carro. Ao lado do corpo de Daiane, a polícia encontrou um projétil de revólver calibre ponto 32. “Ele era uma pessoa do nosso convívio e a gente não imaginava que ele seria o autor. Até a noite de ontem (domingo), eu acreditava que ele era inocente”, disse o pai de Daiane em entrevista ao portal Correio. O corpo de Daiane foi sepultado na manhã desta segunda-feira (18).

Rubens também contou que foi Adilson quem ligou para ele para informar o sumiço da vítima. Pouco depois, toda a família iniciou uma busca para tentar localizar Daiane. “Nós começamos a ligar para os hospitais de Serrinha, Feira de Santana e Salvador, para tentar levantar alguma informação”, conta Rubens.

Adilson ainda participou das buscas e, no domingo, prestou queixa sobre o desaparecimento da mulher a polícia. Os familiares da vítima começaram a desconfiar do marido porque ele foi a última pessoa a ter contato com Daiane. “Eu cheguei a perguntar o que teria acontecido. Perguntei porquê ele não deixou a minha filha no local que os dois tinham combinado de ir”, conta Rubens em entrevista ao portal Correio.