Recém-nascido morre depois de contrair herpes e mãe faz alerta

By 20/01/2018Diversos, Filhos, Saúde

Nicole e Shane Sifrit aguardavam ansiosos pela chegada de sua pequena filha Mariana. A bebezinha nasceu no dia 1 de julho. Mas, após seis dias de nascida, ela começou a passar mal e foi internada na UTI neonatal, exatamente na data em que seus pais se casaram, oficializando a união dos dois.

Durante a consulta nos hospital, os médicos diagnosticaram que  ela estava com meningite, devido as complicações e por Mariana ter contraído o vírus da Herpes. A doença afetou os pulmões, rins, fígado, coração e cérebro da criança, agravando o quadro. Nicole publicou a história na sua página pessoal do Facebook e pediu orações.

Os pais de Mariana realizam os exames para saber se foram eles que passaram para ela, mas o resultado deu negativo. Juntos concluíram que ela foi infectada por outra pessoa. “Não deixe ninguém beijar o seu bebê“, alertou a americana
Depois de alguns dias lutando bravamente, a pequena Mariana não resistiu e faleceu na última terça, dia 18. Nicole após essa terrível tragédia, se pronunciou novamente na internet através de uma publicação relatando sua pior experiência. Seu relato foi curtido mais de 4 mil e 500 vezes, ela recebeu mais de 1 mil comentários de pessoas que se solidarizaram e se puseram em seu lugar de mãe. “Nossa princesa ganhou asas de anjo às 8h41 desta manhã nos braços do seu pai e com a mamãe ao seu lado. Agora, ela não está mais sofrendo e está com o Senhor. Obrigada a todos que seguiram a sua jornada e nos apoiaram. Nos seus 18 dias de vida, ela teve um impacto enorme no mundo e esperamos com a história de Mariana salvar a vida de muitos recém-nascidos”, escreveu Nicole.

A médica neonatologista Monica Carceles, Maternidade Pro Matre Paulista, de São Paulo, explicou que existem dois dipos de herpes: o primeiro é que atinge a boca com pequenas feridas, e o herpes genital é transmitido através das relações sexuais. “O que atinge os bebês com mais frequência é o genital. Às vezes, a mãe tem o problema, mas não apresenta nenhuma lesão e pode passar para o bebê no momento do nascimento”, disse Monica.

Não é comum entre bebês, mas eles podem sim ser infectados, através de um beijo ou de alguma fala perto do seu rosto. O problema é que o quadro da enfermidade em recém-nascidos é grave e exige cuidados. “Quem tem uma lesão oral não deve chegar perto da criança. Se a mãe tiver, o ideal é que ela use máscara, sempre lembre de higienizar as mãos depois de pegar o bebê e evite o contato muito próximo”, afirma a médica.

O caso de Mariana gerou uma grande repercursão internacional, o problema é que não foi descoberto o tipo de herpes que ela contraiu. Nicole tem alertado os pais para que não deixem beijar seus bebês, ela não conseguiu deu detalhes de como ou quais exames foram realizados nela ou no marido para detectar a doença.
A neonatologista esclareceu que o vírus ataca vários órgãos do corpo e também o sistema nervoso. É comum resultar em encefalite (inflamação do tecido cerebral), meningite (inflamação da membrana que envolve o tecido do cérebro) ou até mesmo uma infecção generalizada.

O vírus da herpes é muito rara embebês, mas acontece, nem sempre é tão letal, o que não quer dizer que você deve cuidar menos, ou ter menos atenção sobre o assunto e a saúde do seu bebê. “Todo recém-nascido que começar a ter febre deve ser avaliado pelo pediatra. Parar de mamar e ficar molinho também são outros sinais que podem identificar doenças”, ressalta Monica. Os pais também devem ficar atentos ao comportamento de seus filhos, pois são sinais de que algo não está bem com eles, procure seu pediatra para que possa ser auxiliado da melhor maneira possível.

Infelizmente não existe uma vacina contra o vírus da Herpes, a melhor maneira de não pegar e preservar a saúde do bebê, é ter precaução. “O bebê não tem que viver em uma bolha, mas é necessário alguns cuidados porque a parte imunológica dele é mais frágil. A pessoa que vai conhecê-lo não pode estar com herpes ou doente, deve lavar bem as mãos e passar álcool gel”, destaca a médica.
Monica ainda comenta que as visitas pode sim pegar o bebê no colo, mas o contato íntimo deve ser evitado. “Não é todo mundo que chega que pode beijar o bebê. Deixe isso para as pessoas próximas, como avós e tios, que você sabe como está a saúde deles”.