Prima de Daiane conta como ela estava 1 dia antes de ser morta pelo marido e comove

By 20/12/2017Diversos, Gravidez

Frio e dissimulado. É assim que a polícia de Serrinha, na Bahia, enxerga Adilson Prado Lima Júnior, o homem de 25 anos que confessou ter matado a própria mulher, Daiane Reis Mota (25), grávida de nove meses, no último sábado (16). Essa é a mesma impressão de amigos e familiares. Enquanto o rapaz revelou-se “calculista” em depoimento à polícia, nas buscas por Daiane, os colegas da vítima relatam seus esforços calculados para encontrar a mulher.

Segundo a polícia e pessoas próximas à vítima, não encontraram o advogado de Adilson até o fechamento da reportagem.

Adilson Prado Lima Júnior foi detido pelo crime de feminicídio e encaminhado nesta segunda-feira ao presídio de Serrinha. A morte de Daiane causou revolta e comoção na cidade baiana, com diversos amigos e familiares prestando homenagens nas redes sociais e clamando por justiça. Ela deixa um filho de três anos, fruto de um relacionamento anterior.

Michelle Senna é prima, mas considerava Daiane uma irmã. Foram criadas juntas, na mesma casa. Uma das primeiras pessoas avisadas sobre o desaparecimento, ela e o marido, Webert Veiga, saíram pela cidade para ajudar nas buscas. “A gente procurou das 19h de sábado até 5h do domingo. Aí fomos para casa descansar e esperar por noticias.”

O próprio Adilson foi à delegacia naquela mesma manhã para comunicar o desaparecimento. Em princípio, disse que Daiane havia saído de casa na tarde de sábado para fazer compras e não voltou mais. “A gente ficava perguntando ‘e aí, e aí?’ Ele respondia que estava indo em todos os hospitais e revirando a cidade toda. E nós acreditamos”, recorda-se Michelle.

Ela conta que Adilson chegou a dar dinheiro a um amigo segurança para que ele abastecesse sua moto e ajudasse a procurar. “Ele ligava para todo mundo perguntando se alguém tinha visto a Daiane. É um monstro!”