Pai suspeito de estuprar as duas filhas é preso: Ele enviava mensagens: ‘Me ligue que vou aí’

By 31/03/2018Diversos, Filhos

 

Pai suspeito de estuprar as filhas fi preso ele enviava mensagens pornográficas, quase todos os dias. 

A prisão foi decretada pela justiça, depois das jovens de 18 e 11 anos, contarem a policia dos abusos há anos, os telefones também foram apreendidos.

O homem de 52 anos, foi preso nesta quinta-feira (29), suspeito de estuprar as duas filhas, e Buri (SP), ele enviava mensagens pornográficas para a filha mais nova.

Em entrevista ao portal G1, o delegado Paulo Fonseca contou que as conversas estavão no celular da filha de 11 anos, e foi apreendido junto com o telefone do pai.

O homem mandava mensagens para a filha de 11 anos, dizendo ate o que “quer fazer” com a filha, e dizia que já estava indo para cometer os abusos.

“A mais nova nos apresentou o celular dela com essas mensagens que o pai enviava com teores pornográficos. Constamos que era o número do suspeito realmente e, por isso, apreendemos o telefone dela e dele também”, disse.
Quase todos os dias

O delegado ainda contou que o pai enviava esse tipo de mensagem quase todos os dias, há pelo menos três anos.

“A menina disse que quase todo dia o pai mandava mensagem para ela. Havia outras no celular dela, mas ela alegou que antes apagava. Só passou a não apagar quando a irmã mais velha, que também já havia sido abusada, soube dos abusos e pediu para guardar como prova contra o pai”, diz.

As duas irmãs foram no plantão policial no último sábado (24) em companhia de uma parente para fazer as denuncias de abuso do pai.

“Ela disse que resolveu ir até a delegacia só agora para denunciar quando soube que a irmã mais nova estava sendo abusada há três anos pelo pai. Após o registro, um conselho tutelar foi acionado e já abri inquérito”, diz.

Um mandado de prisão preventiva foi expedido pela Justiça. O homem foi encontrado escondido em sua casa e levado para a delegacia.
De acordo com o delegado, na segunda-feira (2) as irmãs serão submetidas a exame no Instituto Médico Legal (IML) que poderá comprovar os abusos.

Veja mais notícias da região no G1 Itapetininga