“Mudei de vida ao me tornar mãe do meu tio”

By 21/01/2018Diversos, Filhos, Mãe

Conheça esta história comovente, Jennifer de apenas 26 anos, que após a morte da avó, assumiu a missão de cuidar de Maycon, de 24 anos, um tio deficiente.

Jennifer tem 26 anos e é de Pindaminhangaba, São Paulo. Sua história comoveu diversas famílias nas redes sociais devido a um relato sobre a morte de sua avó ser divulgado, ela assumiu a responsabilidade por seu tio e tem cuidado dele como um filho, desde então.
Horas após sua postagem, ela conseguiu atingir mais de seis mil pessoas e teve quase dois mil comentários. CRESCER entrou em contato com ela para entender melhor esta história. Veja o que ela nos contou em depoimento:

“A mulher mais inspiradora da minha vida é minha avó Francisca. Infelizmente, em agosto de 2016, ela foi diagnosticada com pedra na vesícula. A princípio, acreditamos ser algo simples, que com uma cirurgia ficaria tudo bem. Porém, o caso era mais grave: ela estava com câncer no fígado. Dois meses depois da descoberta, fui informada, no trabalho, que deveria ir imediatamente para o hospital para me despedir dela, pois os médicos disseram que daquela noite ela não passaria. Já em seu leito, meu marido disse à ela que descansasse em paz, pois nós ficaríamos responsáveis pelo maior motivo de sua preocupação em vida: o Maycon, filho dela e portador de duas síndromes raras, a de Willians, que leva a problemas na coordenação e atraso psicomotor, e a X Frágil, causadora de deficiência mental. Ali tive a certeza da missão que Deus tinha para mim. Na madrugada seguinte, ela faleceu.

E foi bem no dia do velório que me descobri capaz de ser mãe novamente. Não de um bebê, como a minha filha Sophia, de dois anos e dez meses, mas sim de um bebê de 24 anos e quase 1,90m de altura. Maycon usa fraldas, precisa que alguém lhe dê banho, comida, escove os dentes, coloque para dormir, e por aí vai.
Mas a decisão que tomei de assumi-lo como filho, trazendo para morar comigo e amando como se realmente tivesse sido gerado por mim, no entanto, não veio do dia para a noite. Há tempos que eu dizia para minha avó que, se um dia algo acontecesse com ela, Maycon ficaria sob minha responsabilidade. Mais do que uma forma de agradecer por tudo o que aquela mulher incrível já havia feito, o sentimento que tive por meu tio sempre foi de carinho. Nunca o enxerguei como uma obrigação ou peso. Tanto que, antes de me casar, deixei essa vontade clara para o meu esposo, que não só me compreendeu como aceitou a nossa missão. Sempre pensei que se minha avó teve a nobreza de me criar e me acolher nos momentos mais difíceis, como quando eu ainda era adolescente e minha mãe teve uma depressão profunda, a ponto de tirar a própria vida, agora era a minha vez de colocar em prática os ensinamentos de amor de dona Francisca.

E assim está sendo: há pouco mais de um ano, pedi as contas no trabalho e, sem nem pensar duas vezes, me dedico ao cuidado desse novo filho. Antes de ele vir morar com a gente, aliás, já fazíamos questão de inclui-lo em nossa rotina, levando-o para o cinema, a praia, o boliche. E eu sabia que o amaria tanto quanto minha avó o amava. Por isso, me dedico de coração aos cuidados diários, por mais cansativo que eles sejam. Fico feliz de ver que ele e minha filha se dão bem, que brincam juntos. E mais feliz ainda em poder dividir essa história. Quero que não somente ela, mas outros depoimentos cheguem a mais pessoas, criando uma corrente do bem, para mostrar que o amor é sempre maior. Por isso, resolvi criar uma página no Facebook para ajudar de alguma forma quem também está passando por situações deste tipo. Hoje posso dizer que o Maycon nos ensinou o significado da palavra família. Ele é uma benção em nossas vidas!”