Mãe que compartilhou fotos de Trigêmeos natimortos é chamada de Psicopata e Assassina de Bebês

By 04/12/2017Diversos, Gravidez, Mãe, Pai

Amanda Morrison compartilhou imagens dolorosas de seus bebês natimortos para se conectar com outros pais em situações semelhantes.

Atenção: algumas dessas imagens podem causar angústia 

Amanda Morrison uma jovem mãe americana compartilhou imagens doloridas de seus trigêmeos natimortos em um esforço para se conectar com outros pais que haviam perdido tragicamente uma criança. Mas a mãe devastada foi alvo de críticas horríveis, internautas a chamaram de “assassinas de bebê” e psicopata “por publicar as fotos de suas crianças perdidas. A mãe do coração de 33 anos de idade começou a criticar os agressores online.”Eu fui chamada de psicopata porque eu compartilhei fotos de fetos que nunca viveram”, fetos que nunca viveram mais que com certeza foram muito amados.

Conheça  a Historia Completa

Amanda tentou por um bebê por 14 anos

Após meses de tratamento de fertilidade a jovem de 33 anos descobriu que estava grávida em agosto de 2016.

Amanda pensou que tinha conseguido realizar o sonho de ter filhos depois de mais de uma década de tentativas frustradas.

“Eu estava tentando conceber por 14 anos sem sucesso. Eu tive 14 dias de espera antes de fazer um teste de gravidez”, diz ela.

“Mas eu simplesmente não podia esperar. Quando eu tinha nove dias após a ovulação, fiz um teste, o que mostrou um fraco positivo. Depois de mais 18 testes todos mostraram positivo, eu estava absolutamente extasiada”.

Em uma visita a seu médico em um ultra-som de seis semanas confirmou que estava grávida – não com apenas um bebê, mas de três, de um momento ao outro sua felicidade foi triplicada.

“Eu estava apaixonada porque ninguém poderia explicar senão outra mãe”

Mas, no dia 23 de novembro, na 15ª semana de gravidez, a jovem mãe dos EUA, teve a terrível notícia de que ela não tinha colo uterino e ela perderia seus bebês.

“Tudo veio cair. Foi a notícia de que nenhuma mãe deveria ter que ouvir “, diz ela.” Você tem tantos pensamentos que percorrem sua mente naquele momento.

“Lembro-me de gritar no hospital que isso não era real. Eu simplesmente fiquei entorpecida. ”

“Eu contei os dedos e os dedos dos pés”

Depois que seus três bebês foram entregues, ela pôde passar algum tempo com eles para dizer adeus.

“Eu estava apaixonado porque ninguém poderia explicar senão outra mãe”, diz ela.

“Eu contei os dedos, contei os dedos dos pés, eu os memorizei instantaneamente. Eu os beijei e os segurei e tive que deixá-los ir”.

Para comemorar o momento emocional, Amanda tirou fotos dela segurando as crianças.

“Eu consigo vê-los apenas nessas fotografias e, ao mesmo tempo, é doloroso porque nenhuma outra foto será tomada”.

“Eu fui chamada de assassina de bebês”

Na tentativa de chegar a outros pais de crianças mortos, ela publicou suas fotos amadas na internet.

No entanto, apesar de muitas respostas positivas de pais em posições semelhantes, Amanda foi deixada horrorizada quando foi chamada por alguns internautas com esses terríveis nomes.

“Eu tive feedback negativo, dizendo-me que é nojento mostrar as fotos de minhas crianças porque estão mortas”, diz ela.

“Eu fui chamado de assassina de bebês. Eu fui chamado de psicopata porque eu compartilhei fotos de fetos que nunca viveram. Foi-me dito coisas horríveis”.

Enquanto as palavras odiosas a esmagaram, Amanda ainda foi tocada pelas palavras de apoio de outros pais ao redor do mundo.

“Eu encontrei muitas mães que perderam filhos para as quais eu liguei, e compartilhamos um vínculo especial”, diz ela.

Amanda diz que seus filhos são muito reais, e eles foram amados, apesar da morte, e se a sociedade quer reconhecê-lo ou não.

“Eu percebi o quão tranqüila a sociedade quer que sejamos sobre perda infantil”

Ela está usando seu coração, a dor de perder seus trigêmeos para apoiar outros pais na mesma situação.

“Posso dizer que, através de todos os comentários negativos, percebi o quão tranqüila a sociedade quer que sejamos sobre perda infantil”, diz ela.

“As pessoas precisam perceber que é bom mencionar os nomes de nossas crianças. Enquanto dói, o fato de serem lembrados nos torna orgulhosos”.

“As pessoas esquecem que há mães como nós que desistiriam de tudo para ter um momento com nossos filhos, mesmo que fosse uma situação que a maioria dos outros pais achasse irritante, como limpar a bagunça”.

Particularmente eu quem esta redigindo este post,  perdi meu filho Lucas, com 7 meses de gestação, uma volta dupla do cordão umbilical no pescoço fez com que 12 horas antes da hora marcada para a cesárea eu perdesse meu filho, eu o tive nos meus braços por 5 minutos antes que tivesse que ser levado, ele era perfeito, e o pior e escutar o medico dizer que se tivesse sido feita a cesárea quando eu cheguei no hospital ele teria sobrevivido. Eu tive que fazer o enterro do meu filho, tive que tirar a certidão de natimorto. E muito doloroso, passamos muito tempo para poder aceitar o acontecido. Três anos depois nasceu meu filho Martín, que e a felicidade das nossas vidas. Mais somente com a ajuda de Deus, e apos conhecer a verdade bíblica, e o plano da salvação de Deus, e que tenho a paz e a certeza de que um dia verei o meu filho novamente, vou poder viver com ele, e seremos felizes, onde não haverá nem mais dor nem mais pranto, e onde a morte não reinara mais.

Amanda também está arrecadando dinheiro para ter mais um tratamento de fertilidade: https://www.gofundme.com/tac-surgery-needed