Geração do “Quero ser Youtuber”

Publicidade

Antigamente, nossos pais se preocupavam em nos dar comida e queria ter a certeza que faríamos uma faculdade, cujo o intuito era passar em um concurso público para estar garantido para o resto de nossas vidas.

Quando nós éramos crianças, pensávamos em ser astronautas, bombeiros, médicos, desenhista, as profissões eram diversas e na verdade, trocávamos de profissão a cada semana.

Bem os tempos mudaram. Hoje com toda tecnologia que existe e o acesso ilimitado à internet, tem feito com que cada vez mais cedo as crianças tenham o contato com os mais variados dispositivos: celular, tablet, Netflix e Youtube. Hoje, quando você pergunta para uma criança o que ela quer ser a resposta: “Quero ser Youtuber”

Segundo uma pesquisa publicada pela ESPM-SP, os canais cuja produção é feita pelas crianças ultrapassou os 20 milhões de visualizações. O termo de pesquisa “Como ser um youtuber” encontrou mais de 1 milhão de respostas, ou seja, cada vez mais as pessoas estão querendo criar seus próprios canais e produzir conteúdos.

Existe um livro com o título Quero ser uma Youtuber, escrito por Julia Silva e Camila Piva, escrito por uma criança. Mas o que me chama a atenção é a descrição do livro: Uma garota. Um diário. Um sonho. Ludmila, mais conhecida como Mila, é fã da Julia Silva e sonha em ser uma youtuber famosa. Mas ela vai descobrir que isso não é tão fácil quanto ela imagina. Com a ajuda da família e dos amigos, Mila vai em busca de seu sonho. Mas, entre brinquedos, novelas, desafios e gnomos, as coisas nem sempre saem conforme o esperado. Será que ela vai conseguir realizar seu sonho de ficar famosa?

Como deixar seu filho ser um Youtuber

Não basta ser youtuber, é preciso atingir a fama!

O site M de Mulher listou algumas dicas essenciais para ser um youtuber, entre eles: Falar sobre o que gosta; abusar da criatividade; colocar as ideias no papel; regularidade; redes sociais; ouvir o público; confiar na sua própria personalidade e escolher um cenário.

Publicidade

Como a própria descrição do livro fala, é impossível uma criança conquistar a fama sozinha, ela vai depender dos pais e dos amigos para ganhar engajamento com o público, auxiliar nas edições de vídeos e tudo mais que envolve ser um produtor de conteúdos para o Youtube.

Ao mesmo tempo que pode ser prejudicial para a criança, pois ela está, literalmente, colocando a cara a tapa e talvez não tenha maturidade para ouvir opiniões negativas a respeito do conteúdo que ela está criando e sofrer com o cyberbullying. Ter um canal no Youtube exige que ela se supere muitas vezes.

Por exemplo: Ter um canal no Youtube faz com que a criança seja criativa a respeito das coisas que ela gosta, seja bonecas, carrinhos, pistas, dinossauros, etc. Ela precisa ser comprometida com o canal, o que leva a produzir com regularidade. Ela está assumindo um compromisso com o público dela de sempre falar sobre aqueles assuntos específicos.

Ao mesmo tempo que exige envolvimento dos pais com relação as edições de vídeos, aos conteúdos produzidos (cuidados para que a criança não mencione o nome de nenhum amigo sem autorização ou então fale o nome da sua escola). Também é importante que os pais estejam atentos com quem a criança está conversando. As redes sociais do canal também precisam estar sob vigilância tanto para bullying como para pessoas más intencionadas.

A geração Youtuber é, sem dúvidas, uma geração criativa e curiosa. Isso faz com que eles queiram explorar muito mais as possibilidades que as redes sociais oferecem. Mas também é importante ensinar-lhes a ter paciência para colher os frutos. Nada nasce se não plantar.

Publicidade

Além disso, é importante para a autoestima delas saberem bem quem elas são para seus pais. Ao terem certeza de que são amados pelo que eles são, vai lhes dar muito mais segurança de sempre persistirem e não desistirem meio às adversidades.

Karin Petermann

Author Karin Petermann

Sou mãe de duas crianças lindas, o Cauê com 7 anos e a Catarina de 2 anos de idade. Sou blogueira há 7 anos e escrevo porque acredito que a maternidade quando compartilhada se torna mais leve e divertida.

More posts by Karin Petermann

Leave a Reply