Enfermeira é presa suspeita de homicídio contra recém-nascidos

By 03/05/2018Diversos

 

A enfermeira é suspeita de romper intencionalmente com tesoura ou com as mãos, cateteres em recém-nascidos, no hospital particular de Bangu, na Zona Oeste do Rio.

Conforme informações do Portal G1, os policiais da delegacia da Criança e Adolescentes Vítima(DCAV), prenderam , nesta quarta-feira(2), a enfermeira suspeita de tentativa de homicídio de quatro recém-nascidos.

Conforme os investigadores, a enfermeira Simone, rompeu com intenção, os cateteres inseridos nos recém-nascidos, ora com a tesoura, ora com a mão.

Com imagens de uma câmera do Hopital Real DOr, em frente ao leito de um dos recém-nascido, mostra a enfermeira em ação. Mesmo fora do seu horário de trabalho, ela aparece nos locais dos crimes retirando os cateteres dos recém-nascidos.

Nas gravações, aparece a enfermeira, quando se aproxima da incubadora, entrega algo a técnica de enfermagem, assim que ela sai, ela chega perto da incubadora, pega a tesoura, e corta o cateter e tenta esconder, toda a ação dura cerca de nove segundos.Depois de uns vinte minutos, chega outra enfermeira, ela coloca as luvas pra atender a criança. Ela contou a polícia que quando percebeu o ocorrido se desespera.

A partir das investigações a polícia descobriu que Simone cortou os cateteres pelo menos 4 vezes só na segunda-feira na primeira quinzena de janeiro.Os bebês correram om risco de hipoglicemia e infecção, por este motivo a enfermeira foi indiciada por tentativa de homicídio. Na delegecia, Simone negou as acusações.

No inquérito policial há fotos dos bebês com os braços machucados, assim que o hospital percebeu o a quebra dos equipamentos, abriu sindicância e avisou a polícia.

Durante a sindicância na unidade, Simone foi ouvida, sem saber que era suspeita de cometer os crimes, e chegou a dizer que possuía o treinamento necessário para realizar a troca de cateter e que se algo do tipo aconteceu teria sido por “má fé” de algum profissional.
Em nota, o Hospital esclareceu que não houve qualquer dano ou consequência aos pacientes em decorrência do reportado. O Hospital possui e segue continuamente rígidos protocolos de segurança, tendo imediatamente e de modo preventivo afastado a profissional em questão e em seguida comunicado a situação alegada às autoridades policiais competentes para a devida averiguação e providências.

A delegada titular da unidade, Juliana Emerique, informou que o mandado foi expedido pelo Juízo da 4ª Vara Criminal da Comarca da Capital/RJ.