Criança Especial tenta suicídio após sofrer bullying de professor

By 13/06/2019Diversos, Filhos
Publicidade

 

A mãe do menino culpa professores por intimidar seu filho especial de 11 anos e levar ao suicídio. Ela mostra uma foto angustiante dele lutando pela sua vida.

A mãe do menino entrou com uma ação alegando que seu filho de sofrer bullying e “implacavelmente intimidado”.

A imagem angustiante de Jamari Dent em uma máquina de suporte de vida, Teirra Black disse que foi “implacavelmente intimidado” antes de tentar se enforcar em janeiro, informa o New York Post.

O processo alega que o aluno da terceira série foi insultado desde o início de 2018, o menino, que tem dificuldades de aprendizagem, estava matriculado na Evers Elementary School, em Chicago.

A mãe do menino afirma que sua tentativa de suicídio poderia ter sido evitada se as autoridades não tivessem “ignorado os pedidos desesperados de sua mãe para proteger seu filho”.

Publicidade

O processo alega que os colegas zombaram do Jamari, dizendo que ele era “estúpido” e “retardado”.

Ele também foi submetido a insultos de um professor que lhe disse: “sujo” e “burro”, disse o processo.

Em um episódio, o professor teria perguntado a ele se “o cabelo dele era o motivo pelo qual ele não sabia ler”.

Sua mãe alega que ela foi forçada a transferir o menino para outra escola, e que o bullying seguiu em sua nova escola na Woodson Elementary.

Três professores atacaram o menino em incidentes separados, e as insultos continuaram de estudantes e agentes de segurança, de acordo com o processo.

Conforme informa o site The Sun,foram feitas reclamações ao diretor do conselho de educação, mas as autoridades a ignoraram.

Quando o menino tentou tirar sua vida no início deste ano, foi o culminar de “violência física crônica, abuso psicológico, intimidação, assédio e comportamento agressivo”, de acordo com os documentos legais.

Publicidade

O processo – que pede indenização não especificada – nomeia as escolas públicas de Chicago, dois diretores e quatro professores. O distrito recusou-se a comentar o litígio, de acordo com o Sun-Times.