Acusado de matar Menina Vitória diz que foi torturado para confessar o crime! Veja a Reviravolta.

By 10/08/2018Diversos
Publicidade

Acusado de matar Menina Vitória diz que foi torturado para confessar o crime! Veja a Reviravolta.

Em carta exclusiva, Júlio César Lima, dá nova versão e diz que é inocente.

Ele afirma também que o casal Maiara e Bruno não participou do crime

Júlio César Lima, suspeito de matar a menina Vitória Gabrielly, atualmente preso na Penitenciária de Tremembé 2 desde o dia 20 de julho, escreveu uma carta para a reportagem da RecordTV contando uma nova versão sobre o crime.

Não é a primeira vez que ele muda seu relato sobre os acontecimentos, neste novo relato, ele afirma que os verdadeiros assassinos de Vitória ainda estão soltos.

Em uma carta de quatro páginas, escrita de próprio punho, Júlio diz que foi torturado pela polícia para confessar o crime. Ele diz que no dia 12 e 13 junho sofreu diversas agressões como chutes, socos e choques. Júlio ainda conta que teria sido sufocado com um saco plástico até desmaiar. Segundo ele, tudo teria acontecido com o conhecimento dos agentes de segurança pública da Delegacia de Araçariguama.

“Os assassinos da menina Vitória estão em liberdade” diz Júlio César.

A carta fala ainda que o casal Maiara Borges e Bruno Marcel de Oliveira, o Mancha, ambos presos em Tremembé e acusados de participar do assassinato são inocentes. Júlio afirma que tudo que foi dito sobre a participação de Maiara e Mancha é mentira. “Tudo que falei porque a polícia me obrigou mediante tortura física e emocional. Até minha família foi ameaçada”. A mulher de Júlio, que esta grávida, também teria sido ameçada por policiais civis e guardas municipais.

Julio também narra que no dia do desaparecimento da garota estave durante boa parte do dia em casa, na companhia da esposa e dos pais. Ele escreve que havia saído apenas para beber em um bar e comprar drogas, já no meio da noite, quando na sequência teria voltado para a casa da mãe. Neste ponto da carta, ele escreve ainda “jamais estive em algum carro com o casal neste dia, ou com a menina Vitória”.

“Estou fazendo isso agora porque estou seguro em Tremembé e quero corrigir este grave erro que levou eu para a cadeia, pessoas inocentes”, justifica Júlio em sua decisão de escrever a carta, dizendo ainda que “tudo que a polícia fala sobre este caso é mentira e, portanto, os assassinos da menina Vitória estão em liberdade”.

Júlio termina a carta reafirmando sua inocência e do casal Maiara e Bruno e se colocando a disposição da imprensa e da Justiça para corrigir o que ele chama de “erro”.

Publicidade

Após receber a carta escrita por Júlio, o jornalismo da RecordTV fez um pedido de entrevista para a Justiça, mas o pedido foi negado.

Polícia refuta acusações

O delegado da Seccional de Sorocaba, Marcelo Carriel, em entrevista ao Cidade Alerta refutou as declarações feitas por Júlio. Carriel afirmou que ele teve diversas oportunidades de falar sobre estas “supostas torturas que ele passou”. “Ele vai ter que provar isto, pois no dia que ele foi interrogado ele estava acompanhado do pai e de um advogado, membro da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e da Comissão de Direitos Humanos [da entidade]”, afirmou o delegado.

Carriel considerou estranho que Júlio não tenha relatado o conteúdo da carta para seu advogado e que a Polícia agiu estritamente dentro da legalidade, ressaltando que ele havia passado diversas vezes pelo IML (Instituto Médico Legal) e que existem “vários laudos de corpo de delito que demonstram que ele nunca teve qualquer tipo de lesão”.

 

Publicidade

Publicidade